Blog

Aumente seu poder de compra em 250% com planejamento.

Temos enfatizado aqui no blog o quanto é importante planejar os investimentos. Apenas para relembrar, com planejamento, você consegue otimizar a relação entre retorno, risco e liquidez, alcançar seus objetivos e proteger seu patrimônio, respeitando sua capacidade de investimento. Nesse texto, vamos além. Vamos mostrar as contas. Para acumular patrimônio, seus planos devem considerar a taxa de juros reais (rentabilidade líquida do investimento, descontada a inflação). Só assim, você tem certeza de ganhar poder de compra e ficar mais rico. Ao investir em produtos usuais que oferecem 80% a 95% do CDI, sua rentabilidade líquida real (após o imposto de renda e já descontada a inflação) fica no máximo em torno de 1,40% ao ano. Selecionando produtos mais sofisticados e aproveitando os benefícios fiscais oferecidos, sua rentabilidade pode chegar a 130% do CDI, para um nível de risco ainda conservador. Isso lhe trará uma rentabilidade líquida real média de 4,20% ...

continuar lendo

Devo comprar Bitcoin para minha carteira de investimentos?

Como sempre enfatizamos, sua carteira de investimentos deve visar mais do que retorno máximo. Ela precisa maximizar retorno, respeitando sua tolerância a risco e sua necessidade de liquidez. Posto de outra forma, sua carteira deve balancear risco, retorno e liquidez, optando pela alternativa de melhor custo-benefício. Além disso, deve mirar nos seus objetivos, levando em conta sua capacidade de investimento, a oferta de produtos financeiros no mercado, os cenários econômicos atual e futuro, estar aberta a ajustes sempre que seus parâmetros ou premissas forma alterados e, principalmente, proteger seu patrimônio. Para tanto, sua carteira de ativos deve ser bem diversificada, com produtos de investimento, seguros e previdência. Sobre montar a carteira... Quando calculamos a rentabilidade necessária para sua carteira, dados seus objetivos e respeitando tudo o que foi dito anteriormente, passamos para a etapa de seleção dos ativos. Nessa etapa, o objetivo é distribuir seus recursos em investimentos que juntos ...

continuar lendo

Não invista apenas. Planeje seus investimentos!

No último dia 06/11, dei uma palestra sobre planejamento de investimentos. Ontem, recebi algumas anotações do que eu disse, feitas por uma das participantes, que resumem bem a mensagem que quis passar. Por isso, transcrevo aqui. - Não se investe sem objetivos. Investir sem objetivos é um tiro no escuro. - Rentabilidade é quanto minha carteira vai render. Queremos ganhar o máximo possível, desde que respeitando uma tolerância a risco e a exigência de liquidez. - Não dá para ter rentabilidade máxima e risco mínimo, sem abrir mão da liquidez. - Parte da carteira é para reservas de emergência. - Além do tripé rentabilidade, risco e liquidez, é preciso que a carteira de investimento me leva aos meus objetivos. - Nem sempre o planejado vai acontecer. Na verdade, quase nunca. Mas é bom planejar para se ter uma norte, uma conta feira, mesmo que eu vá flexibilizando e ajustando os ...

continuar lendo

Investir sem planejamento financeiro é investir às cegas!

Deixa eu lhe contar três casos que dão suporte ao título desse texto: Caso 1: um casal, de alta renda e com muito patrimônio, nos procurou para opinarmos sobre a contratação de um fundo exclusivo para servir de meio para seus planos, que incluíam uma renda mensal ao se aposentarem e uma ótima herança para seus filhos, além obviamente dos benefícios tributários e sucessórios. Uma vez acordado que o fundo exclusivo era a solução ideal, a questão seguinte foi: qual o perfil de risco para esse fundo? Eles estavam dispostos a alocar boa parte do patrimônio em produtos agressivos, se fosse preciso. Aliás, eles estavam tendenciosos a escolher esses produtos, pois estavam certos de que seria necessário para o alcance de seus objetivos. Não foi o que o planejamento financeiro apontou. Após formatarmos os objetivos do casal e dados o saldo de seus ativos financeiros e sua capacidade mensal de ...

continuar lendo

Educação financeira para bolsistas.

No dia 10/08/2017, apresentei uma palestra sobre educação financeira, a convite da Profa. Aurelia Acuña, no evento “Boas vindas aos participantes do PROBEX 2017”, ocorrido no CT/UFPB. Após a palestra, dei uma entrevista ao Ítalo Ramon, estudante de jornalismo. A seguir, reproduzo o que está no site da UFPB (Fonte: Agência de Notícias da UFPB - Com Assessoria). A educação financeira deve iniciar desde cedo, com os pais ajudando o desenvolver do jovem em casa ou deve-se esperar o primeiro salário para que comece esse processo? Se um adolescente que recebe o primeiro salário ou a primeira bolsa e gasta tudo, a culpa não é dele; a culpa é dos pais dele e da nossa sociedade que não tem o hábito de dar educação financeira. O jovem gasta tudo que ganha porque viu nos pais a mesma ação: a de pessoas que gastam tudo sem controle, sem planejamento, sem responsabilidade. ...

continuar lendo

6 dicas essenciais para o bem estar da sua empresa.

Mantenha um estoque correto Manter o giro de mercadorias e de insumos é essencial para que as finanças de uma empresa permaneçam sobre controle. Afinal, estoque muito alto é sinal de dinheiro parado. Por outro lado, estoque insuficiente é prejudicial para o andamento do negócio. Portanto, busque armazenar os itens no volume correto para o fluxo da sua empresa. Fuja dos empréstimos Recorrer a empréstimos é a pior forma de lidar com folha de pagamento, tributos e reposição de estoque. Afinal, os juros corroem os lucros da empresa. Portanto, busque manter um planejamento que permita que a empresa arque com as próprias despesas, contando apenas com as receitas que ela gera. Separe a pessoa física da pessoa jurídica Um dos mais graves erros que o empresário pode cometer é confundir o caixa da pessoa física com o caixa da pessoa jurídica. Com isso, fica praticamente impossível analisar os resultados financeiros ...

continuar lendo

Mais dois controles importantes para o financeiro.

No último post, apresentamos 5 controles financeiros indispensáveis para a gestão de curto prazo da empresa. Clique aqui para ler. Nesse post agora, vamos apresentar mais dois controles, que não são especificamente do financeiro, mas que, como quase tudo dentro da empresa, tem impacto no e sofre impacto do financeiro. Controle diário de vendas Sua principal finalidade é acompanhar as vendas diárias e o total das vendas acumuladas durante o mês, possibilitando ao empresário tomar providências diárias para que as metas sejam alcançadas. Pode ser organizado para fornecer as seguintes informações: - Controlar o total das vendas diárias e os respectivos prazos de recebimentos: à vista, com 7, 14, 21, 28, 30, 45, 60 dias etc.; - Totalizar as vendas mensais pelos prazos de recebimentos; - Fornecer dados para conferência de caixa (para certificar se os valores das vendas à vista foram registrados no caixa); - Controlar os registros dos ...

continuar lendo

Saiba mais sobre os controles financeiros básicos.

No último post, tratamos da relação entre controle financeiro e gestão do capital de giro. Nesse post e no próximo, vamos falar dos controles financeiros, começando pelos cinco que julgamos mais básicos: controle diário de caixa, controle bancário, controle de contas a receber, controle de contas a pagar e controle mensal das despesas. Esses controles PRECISAM ser feitos e PODEM ser implantados, sem dificuldades, desde já. No post seguinte, abordaremos os controles de vendas e de estoque. Vamos lá! Controle diário de caixa Controle feito a partir do registro de todas as entradas e saídas de dinheiro, para apurar e controlar o saldo existente no caixa e elaborar o deonstrativo de fluxo de caixa. A principal finalidade do controle de caixa é verificar se não existem erros de registros ou desvios de recursos. O caixa é conferido diariamente e as diferenças porventura existentes têm de ser apuradas no mesmo dia. ...

continuar lendo

Carregar mais