Blog

3 dicas essenciais para começar a investir em ações: dica ...

No texto anterior, apresentamos e comentamos a dica 1: use o mercado de ações como meio para seus investimentos de longo prazo. Para saber mais sobre essa dica, clique aqui. Nesse texto de agora vamos avançar nas dicas sobre investimentos em ações, notadamente sobre a compreensão de que, para que uma oportunidade seja realmente consistente, o preço (ou cotação) da ação deve estar abaixo do valor justo da ação. Dica 2: entenda a diferença entre preço e valor. O valor de uma ação é a divisão do valor da empresa pela quantidade de ações emitidas por aquela empresa. Esse valor depende, portanto, dos fundamentos da empresa: da sua geração de caixa atual e futura, dos seus ativos (tangíveis e intangíveis), do perfil da sua dívida, de seus múltiplos/índices, de sua política de dividendos, da tendência do mercado onde ela está inserida, da sua governança, entre outros. Calcular o valor da ...

continuar lendo

3 dicas essenciais para começar a investir em ações: dica ...

Ao longo dos meus anos acompanhando o mercado de capitais e trabalhando com planejamento financeiro pessoal, já ouvi de tudo sobre investimentos em ações. A melhor delas e, pasmem, a mais recorrente é que a pessoa tem um amigo que ficou rico comprando na baixa e vendendo na alta... Tirando o fato de que a maioria das pessoas só costuma contar vantagem, é justamente isso que buscamos. Só que não é tão fácil assim: na verdade, acertar os pontos ótimos de entrada e saída de cada papel é uma tarefa praticamente impossível! O alento é que não precisamos acertar os pontos ótimos. Podemos trabalhar na vizinhança desses pontos, mais ainda se nosso horizonte de investimento é de médio para longo prazo. Desse comentário, vem a dica 1: use o mercado de ações como meio para seus investimentos de longo prazo. Lucrar por conta própria com ações no curto prazo exige ...

continuar lendo

Vem ficar rico com a gente!

Nos últimos dias, venho publicando cards nas mídias sociais sobre as três etapas para que seu planejamento de investimento seja eficiente. Nesse texto, quero explica-las com mais detalhes: Etapa 1: Organização dos fluxos de caixa e priorização das despesas, para eliminação de desperdícios e redução de supérfluos, visando ao aumento da capacidade mensal de investimento, sem comprometimento da qualidade de vida. Nessa etapa, o objetivo é maximizar sua capacidade de investimento mensal, mantendo seu padrão de vida. Isto significa usar sua renda com inteligência, gastando apenas o necessário, para fazer sobrar mais dinheiro mensalmente e, portanto, investir mais todo mês, com sustentabilidade. É importante que você entenda que a gente fica rico com o que economiza e investe todo mês e não com o que recebe ou com o que já tem acumulado. Etapa 2: Seleção dos melhores ativos do Mercado Financeiro, para montar uma carteira de investimentos que maximize ...

continuar lendo

Aumente seu poder de compra em 250% com planejamento.

Temos enfatizado aqui no blog o quanto é importante planejar os investimentos. Apenas para relembrar, com planejamento, você consegue otimizar a relação entre retorno, risco e liquidez, alcançar seus objetivos e proteger seu patrimônio, respeitando sua capacidade de investimento. Nesse texto, vamos além. Vamos mostrar as contas. Para acumular patrimônio, seus planos devem considerar a taxa de juros reais (rentabilidade líquida do investimento, descontada a inflação). Só assim, você tem certeza de ganhar poder de compra e ficar mais rico. Ao investir em produtos usuais que oferecem 80% a 95% do CDI, sua rentabilidade líquida real (após o imposto de renda e já descontada a inflação) fica no máximo em torno de 1,40% ao ano. Selecionando produtos mais sofisticados e aproveitando os benefícios fiscais oferecidos, sua rentabilidade pode chegar a 130% do CDI, para um nível de risco ainda conservador. Isso lhe trará uma rentabilidade líquida real média de 4,20% ...

continuar lendo

Devo comprar Bitcoin para minha carteira de investimentos?

Como sempre enfatizamos, sua carteira de investimentos deve visar mais do que retorno máximo. Ela precisa maximizar retorno, respeitando sua tolerância a risco e sua necessidade de liquidez. Posto de outra forma, sua carteira deve balancear risco, retorno e liquidez, optando pela alternativa de melhor custo-benefício. Além disso, deve mirar nos seus objetivos, levando em conta sua capacidade de investimento, a oferta de produtos financeiros no mercado, os cenários econômicos atual e futuro, estar aberta a ajustes sempre que seus parâmetros ou premissas forma alterados e, principalmente, proteger seu patrimônio. Para tanto, sua carteira de ativos deve ser bem diversificada, com produtos de investimento, seguros e previdência. Sobre montar a carteira... Quando calculamos a rentabilidade necessária para sua carteira, dados seus objetivos e respeitando tudo o que foi dito anteriormente, passamos para a etapa de seleção dos ativos. Nessa etapa, o objetivo é distribuir seus recursos em investimentos que juntos ...

continuar lendo

Não invista apenas. Planeje seus investimentos!

No último dia 06/11, dei uma palestra sobre planejamento de investimentos. Ontem, recebi algumas anotações do que eu disse, feitas por uma das participantes, que resumem bem a mensagem que quis passar. Por isso, transcrevo aqui. - Não se investe sem objetivos. Investir sem objetivos é um tiro no escuro. - Rentabilidade é quanto minha carteira vai render. Queremos ganhar o máximo possível, desde que respeitando uma tolerância a risco e a exigência de liquidez. - Não dá para ter rentabilidade máxima e risco mínimo, sem abrir mão da liquidez. - Parte da carteira é para reservas de emergência. - Além do tripé rentabilidade, risco e liquidez, é preciso que a carteira de investimento me leva aos meus objetivos. - Nem sempre o planejado vai acontecer. Na verdade, quase nunca. Mas é bom planejar para se ter uma norte, uma conta feira, mesmo que eu vá flexibilizando e ajustando os ...

continuar lendo

Investir sem planejamento financeiro é investir às cegas!

Deixa eu lhe contar três casos que dão suporte ao título desse texto: Caso 1: um casal, de alta renda e com muito patrimônio, nos procurou para opinarmos sobre a contratação de um fundo exclusivo para servir de meio para seus planos, que incluíam uma renda mensal ao se aposentarem e uma ótima herança para seus filhos, além obviamente dos benefícios tributários e sucessórios. Uma vez acordado que o fundo exclusivo era a solução ideal, a questão seguinte foi: qual o perfil de risco para esse fundo? Eles estavam dispostos a alocar boa parte do patrimônio em produtos agressivos, se fosse preciso. Aliás, eles estavam tendenciosos a escolher esses produtos, pois estavam certos de que seria necessário para o alcance de seus objetivos. Não foi o que o planejamento financeiro apontou. Após formatarmos os objetivos do casal e dados o saldo de seus ativos financeiros e sua capacidade mensal de ...

continuar lendo

Educação financeira para bolsistas.

No dia 10/08/2017, apresentei uma palestra sobre educação financeira, a convite da Profa. Aurelia Acuña, no evento “Boas vindas aos participantes do PROBEX 2017”, ocorrido no CT/UFPB. Após a palestra, dei uma entrevista ao Ítalo Ramon, estudante de jornalismo. A seguir, reproduzo o que está no site da UFPB (Fonte: Agência de Notícias da UFPB - Com Assessoria). A educação financeira deve iniciar desde cedo, com os pais ajudando o desenvolver do jovem em casa ou deve-se esperar o primeiro salário para que comece esse processo? Se um adolescente que recebe o primeiro salário ou a primeira bolsa e gasta tudo, a culpa não é dele; a culpa é dos pais dele e da nossa sociedade que não tem o hábito de dar educação financeira. O jovem gasta tudo que ganha porque viu nos pais a mesma ação: a de pessoas que gastam tudo sem controle, sem planejamento, sem responsabilidade. ...

continuar lendo

Carregar mais