Blog

O que compõe o retorno exigido nos investimentos?

O cálculo do retorno exigido para seus investimentos pessoais (ou investimentos com capital próprio no caso de uma empresa) deve levar em conta alguns fatores: Primeiro, o retorno exigido deve recuperar o poder de compra, ou seja, deve se no mínimo igual à inflação. Exemplificando: inflação de 4% ao ano significa a elevação média (ponderada) dos preços de produtos e serviços em 4% no ano. Isso faz com que você precise de 4% de valorização do seu patrimônio para comprar o mesmo que comprava um ano antes. É o que chamamos de correção monetária. Portanto, rentabilidade abaixo de 4% é perda de poder de compra, rentabilidade igual a 4% é recuperação do poder de compra e rentabilidade acima de 4% é aumento do poder de compra. Mas é claro que só faz sentido investir se for para ter aumento do poder de compra. Todo poupador (e investidor) quer ter um ...

continuar lendo

Comparativo CDI x IPCA.

De janeiro/2008 a setembro/2018, o CDI médio foi de 10,48% ao ano. O CDI líquido (para a alíquota de 15%) ficou em 8,91% ao ano. Já o IPCA anual médio nesse período foi de 5,94%. Alguns resultados: - Na média, o CDI superou o IPCA em 4,28% ao ano. - Já o CDI líquido superou o IPCA em 2,80% ao ano. Conclusões: - Títulos do Tesouro Nacional (de risco menor ou igual ao risco CDI), de taxa indexada ao IPCA de remuneração média real maior ou igual a 4,28% ao ano, foram mais rentáveis (e mais eficientes na relação risco/retorno) que o investimento bancário a 100% do CDI. Isso sem levar em consideração o fator liquidez. - Títulos de crédito privado não bancário (que possuem isenção fiscal), de risco menor ou igual ao risco bancário (para aplicações desenquadradas do FGC), pagando 2,80% de remuneração média acima do IPCA, foram mais ...

continuar lendo

Não seja sócio minoritário nos seus investimentos!

Nas palestras que ministramos, gostamos de chamar atenção para alguns aspectos dos investimentos... Primeiro que a seleção dos ativos que comporão sua carteira deve considerar seus objetivos, sua capacidade de poupança (renda menos gastos) e o tripé retorno, risco e liquidez. Em seguida, é preciso diversificar, tanto para minimizar o risco, quanto para dividir a carteira em classes de acordo com as diferentes exigências de liquidez (por exemplo, é preciso ter ativos líquidos como reserva de emergência e ativos de longo prazo para sua aposentadoria – observe que essas alternativas trocam liquidez por retorno). Finalmente, é preciso atentar para os custos ocultos (mas nem tanto) existentes nos investimentos mais conhecidos do grande público: impostos, spread bancário e inflação. O gráfico a seguir apresenta a evolução da participação de cada um desses custos nos rendimentos de um investimento de R$100.000,00 ao longo de 10 anos e o que sobra para você. ...

continuar lendo

3 dicas essenciais para começar a investir em ações: dica ...

No texto anterior, apresentamos e comentamos a dica 1: use o mercado de ações como meio para seus investimentos de longo prazo. Para saber mais sobre essa dica, clique aqui. Nesse texto de agora vamos avançar nas dicas sobre investimentos em ações, notadamente sobre a compreensão de que, para que uma oportunidade seja realmente consistente, o preço (ou cotação) da ação deve estar abaixo do valor justo da ação. Dica 2: entenda a diferença entre preço e valor. O valor de uma ação é a divisão do valor da empresa pela quantidade de ações emitidas por aquela empresa. Esse valor depende, portanto, dos fundamentos da empresa: da sua geração de caixa atual e futura, dos seus ativos (tangíveis e intangíveis), do perfil da sua dívida, de seus múltiplos/índices, de sua política de dividendos, da tendência do mercado onde ela está inserida, da sua governança, entre outros. Calcular o valor da ...

continuar lendo

3 dicas essenciais para começar a investir em ações: dica ...

Ao longo dos meus anos acompanhando o mercado de capitais e trabalhando com planejamento financeiro pessoal, já ouvi de tudo sobre investimentos em ações. A melhor delas e, pasmem, a mais recorrente é que a pessoa tem um amigo que ficou rico comprando na baixa e vendendo na alta... Tirando o fato de que a maioria das pessoas só costuma contar vantagem, é justamente isso que buscamos. Só que não é tão fácil assim: na verdade, acertar os pontos ótimos de entrada e saída de cada papel é uma tarefa praticamente impossível! O alento é que não precisamos acertar os pontos ótimos. Podemos trabalhar na vizinhança desses pontos, mais ainda se nosso horizonte de investimento é de médio para longo prazo. Desse comentário, vem a dica 1: use o mercado de ações como meio para seus investimentos de longo prazo. Lucrar por conta própria com ações no curto prazo exige ...

continuar lendo

Vem ficar rico com a gente!

Nos últimos dias, venho publicando cards nas mídias sociais sobre as três etapas para que seu planejamento de investimento seja eficiente. Nesse texto, quero explica-las com mais detalhes: Etapa 1: Organização dos fluxos de caixa e priorização das despesas, para eliminação de desperdícios e redução de supérfluos, visando ao aumento da capacidade mensal de investimento, sem comprometimento da qualidade de vida. Nessa etapa, o objetivo é maximizar sua capacidade de investimento mensal, mantendo seu padrão de vida. Isto significa usar sua renda com inteligência, gastando apenas o necessário, para fazer sobrar mais dinheiro mensalmente e, portanto, investir mais todo mês, com sustentabilidade. É importante que você entenda que a gente fica rico com o que economiza e investe todo mês e não com o que recebe ou com o que já tem acumulado. Etapa 2: Seleção dos melhores ativos do Mercado Financeiro, para montar uma carteira de investimentos que maximize ...

continuar lendo

Aumente seu poder de compra em 250% com planejamento.

Temos enfatizado aqui no blog o quanto é importante planejar os investimentos. Apenas para relembrar, com planejamento, você consegue otimizar a relação entre retorno, risco e liquidez, alcançar seus objetivos e proteger seu patrimônio, respeitando sua capacidade de investimento. Nesse texto, vamos além. Vamos mostrar as contas. Para acumular patrimônio, seus planos devem considerar a taxa de juros reais (rentabilidade líquida do investimento, descontada a inflação). Só assim, você tem certeza de ganhar poder de compra e ficar mais rico. Ao investir em produtos usuais que oferecem 80% a 95% do CDI, sua rentabilidade líquida real (após o imposto de renda e já descontada a inflação) fica no máximo em torno de 1,40% ao ano. Selecionando produtos mais sofisticados e aproveitando os benefícios fiscais oferecidos, sua rentabilidade pode chegar a 130% do CDI, para um nível de risco ainda conservador. Isso lhe trará uma rentabilidade líquida real média de 4,20% ...

continuar lendo

Devo comprar Bitcoin para minha carteira de investimentos?

Como sempre enfatizamos, sua carteira de investimentos deve visar mais do que retorno máximo. Ela precisa maximizar retorno, respeitando sua tolerância a risco e sua necessidade de liquidez. Posto de outra forma, sua carteira deve balancear risco, retorno e liquidez, optando pela alternativa de melhor custo-benefício. Além disso, deve mirar nos seus objetivos, levando em conta sua capacidade de investimento, a oferta de produtos financeiros no mercado, os cenários econômicos atual e futuro, estar aberta a ajustes sempre que seus parâmetros ou premissas forma alterados e, principalmente, proteger seu patrimônio. Para tanto, sua carteira de ativos deve ser bem diversificada, com produtos de investimento, seguros e previdência. Sobre montar a carteira... Quando calculamos a rentabilidade necessária para sua carteira, dados seus objetivos e respeitando tudo o que foi dito anteriormente, passamos para a etapa de seleção dos ativos. Nessa etapa, o objetivo é distribuir seus recursos em investimentos que juntos ...

continuar lendo

Carregar mais