Devo comprar à vista ou a prazo?

A coluna "Conta Certa" dessa semana tratou da decisão de compra à vista versus compra a prazo. Isso é realmente um ponto crítico, pois tem muitos fatores envolvidos. Vamos tentar abordar e comentar cada alguns deles:

Desconto à vista: Peça sempre. É um direito seu pechinchar, negociar. Na pior das hipóteses, o preço vai se manter inalterado.

Mesmo que o gerente argumente que é política da loja não dar desconto à vista, não custa tentar. Muita gente termina conseguindo. Principalmente quando o valor da compra é alto ou quando está chegando o final do mês.

Prestações sem juros: Pode até ser verdade, mas, na maioria dos casos, os juros já estão embutidos no preço à vista. Nesse caso, se a loja não der desconto à vista, a melhor alternativa – financeiramente falando – é dividir no máximo de prestações.

Sei que há pessoas que não gostam de ficar devendo ou não gostam de dividir em muitas vezes, alegando que não tem disciplina e vão terminar se esquecendo de reservar parte do orçamento para essas prestações, mas isso não justifica. Se a loja não dá desconto à vista e diz dividir sem juros, pagar antes é pagar mais caro.

Quando uma loja divide uma compra sem juros e não dá desconto à vista, uma das duas alternativas está acontecendo:

1. A loja já embutiu os juros no preço à vista e está lhe forçando a pagar a prazo, uma vez que já sabemos que pagar antes é pior. Dessa forma, a loja está ganhando a taxa de financiamento nas suas costas. Como ela não dá desconto à vista, dos males o menor.

2. A loja está repassando um benefício que conseguiu com o fornecedor. Isso acontece muitas vezes em campanhas para aumento de vendas e aumento de base de clientes. Uma ação conjunta entre fornecedor e loja permite que a loja financie os clientes: ela recebe prazo do fornecedor e repassa esse prazo para o cliente. Quando a loja é maior e tem capital de giro suficiente, ela pode bancar essa ação sem a participação do fornecedor.

Custo de oportunidade: Quando você decide pagar em uma ou em poucas prestações uma compra que pode ser paga em mais prestações sem juros, você está perdendo dinheiro.

Como assim?

Simplesmente porque aquele recurso utilizado para quitar a compra em poucas prestações poderia ficar rendendo no banco a uma taxa de juros conhecida como custo de oportunidade, e esse rendimento seria um ganho seu. Mesmo que pouco, “é de grão em grão que a galinha enche o papo”.

Está gostando do texto? Clique aqui e faça seu cadastro para receber GRATUITAMENTE nossos conteúdos e atualizações!

Desconto à vista versus parcelamento sem juros: Se a loja dá desconto à vista, a avaliação passa por um cálculo que leva em conta o preço com desconto, o número de prestações, o valor das prestações e o custo de oportunidade. Não é uma conta simples, e a tabela a seguir apresenta o desconto mínimo que você deve pedir em função do número de prestações sem juros para valer a pena comprar à vista.

No nosso site, disponibilizamos uma planilha gratuita chamada “Decisão de compra à vista ou a prazo” para lhe ajudar nessa avaliação. Basta clicar aqui.

Planejamento: O brasileiro é imediatista. Como não planeja, precisa financiar suas compras. Como para a pessoa física, o custo de oportunidade é quase sempre menor que a taxa de financiamento, a operação a prazo é quase sempre prejudicial a nossas finanças.

Com planejamento, você acumula recursos e pode barganhar preço para pagamento à vista. Como dissemos, vale a pena tentar sempre. Caso você não consiga desconto nas lojas, parcele suas compras no máximo de prestações sem juros e use esse recurso acumulado para pagar IPTU, IPVA ou outras contas com desconto.  

Gostou do texto? Clique aqui e faça seu cadastro para receber GRATUITAMENTE nossos conteúdos e atualizações!