Passo a passo para montar sua carteira de investimentos.

1. Comece o quanto antes!

2. Defina o montante que será investido na data 0;

3. Calcule sua capacidade mensal de poupança (quanto você consegue investir todo mês). Invista o máximo que puder, sem prejudicar sua qualidade de vida;

4. Defina seus objetivos, atribuindo prazo para cada um deles;

5. Associe cada objetivo a uma classe de liquidez;

6. Calcule quanto precisará para cada classe de liquidez;

7. Identifique sua tolerância a risco (de mercado, de crédito, etc.). Para os objetivos de médio e longo prazos, aceite correr um pouco mais de risco: isso significa mais potencial de retorno;

8. Para cada classe de liquidez, selecione ativos que maximizem o retorno, aceitando algum risco (item 7), aproveitando isenção fiscal, fugindo de produtos bancários e atentando para a taxa real (acima da inflação);

9. Defina a estratégia de investimento para os aportes mensais: em que classe de liquidez eles entrarão e como migrarão entre elas ao longo do tempo.

Observe que os itens 1 (começar logo), 3 (investir o máximo) e 8 (aceitar risco para aumentar o potencial de retorno) são os elementos necessários para que os juros compostos atuem a seu favor: maior prazo, maiores aportes e maior taxa de retorno levam a resultados melhores (seja acumular mais, seja acumular com menos sacrifício).

Abraço,

Rodrigo Leone