Gestor Financeiro Pessoal

Educação financeira |

5 erros fatais nas finanças de micro e pequenas empresas.


por GestorFP

Empreender não é tarefa fácil. São muitas as variáveis e as situações dificultando a gestão dos negócios: o mercado não ajuda, os impostos são altíssimos, as leis trabalhistas precisam ser revistas… A reclamação é quase unânime.

Porém, só se justificam as reclamações oriundas de variáveis e situações externas (aquelas alheias a nossa vontade e ingerência). Não podemos reclamar de não termos feito nosso “dever de casa”. Há muitos erros (de gestão interna) que podemos evitar.

Quais os principais erros de gestão financeira?

– Não organizar, nem controlar o fluxo de caixa. Isso significa não ter planos de contas, nem centros de custos e, consequentemente, não conhecer o contas a pagar, o contas a receber, nem o orçamento para cada tipo de gasto.

– Não mensurar a necessidade de capital de giro. Isso significa não saber o prazo médio de recebimento, o prazo médio de pagamento, nem o giro do estoque (ou o tempo de produção) e enfrentar o ciclo financeiro (investimentos menos financiamentos de curto prazo) às escuras.

– Não precificar corretamente. Isso significa dar brechas para vendas com margem negativa ou margem insuficiente para cobrir os custos fixos.

– Confundir receita com lucro. Isso significa distribuir para os sócios um recurso que deveria ser usado para pagar contas da empresa.

– Confundir dinheiro da empresa com dinheiro do dono. Em outras palavras, pagar contas do dono com recursos da empresa (ou vice-versa) ou tomar financiamentos para a empresa no nome do dono (ou vice-versa). Isso impossibilita a correta avaliação dos resultados operacionais, podendo estes serem menores ou maiores que os calculados.

Se você comete esses erros, é imprescindível revisar sua atuação como gestor e ficar atento a alguns sinais (que podem indicar que sua empresa já está “doente”).

Está gostando do texto? Clique aqui e faça seu cadastro para receber GRATUITAMENTE nossos conteúdos e atualizações!

Como saber que as coisas vão mal?

– Vendas caindo.

Acompanhe suas vendas. Se o volume de vendas vem diminuindo mês a mês, vale a pena dar atenção ao setor comercial. Será que o preço está ok? Será que os vendedores estão motivados? Será que os vendedores estão oferecendo corretamente os produtos/serviços? Será que os clientes ainda querem esse produto/serviço? Será que é a crise?

– Margem caindo.

Acompanhe a margem de contribuição dos seus produtos/serviços. Margens caindo pode significar descontos em excesso para conseguir vender ou preços de compra mal negociados.

– Deficiências de caixa.

Acompanhe seu fluxo de caixa. Se, dia após dia, a conta bancária da sua empresa está no negativo e você precisa recorrer ao cheque especial ou a empréstimos de curto prazo, isso é sinal de que sua margem está insuficiente para cobrir o custo fixo de sua empresa, ou mesmo que seu custo fixo está acima do razoável para seu nível de vendas.

Claro que há muitos outros erros de gestão (por exemplo, não ter um plano de negócios – tema do próximo post) e há outros sinais de que as coisas vão mal. Quis aqui trazer alguns deles.

Gostou do texto? Clique aqui e faça seu cadastro para receber GRATUITAMENTE nossos conteúdos e atualizações!

Obs.: a imagem que ilustra esse post foi retirada de um texto sobre o mesmo tema no blog da MXM Sistemas. Vale a pena ler também. É só clicar aqui.