Gestor Financeiro Pessoal

Investimentos |

Poupança é investimento?


por GestorFP

No dia 25/07/2011, nosso parceiro Diogo Velho Barreto publicou um post no blog da Futura Invest tratando do seguinte questionamento: poupança é mesmo um bom investimento?

O texto mostra as diferenças entre vários produtos financeiros de perfil conservador (apresentando a comparação entre as rentabilidades líquidas da Caderneta de Poupança e de um Fundo de Renda Fixa ao longo dos meses) e alerta para a importância de uma reflexão sobre a taxa básica de juros no momento da aquisição do produto.

Nosso texto busca contribuir com essa discussão, retornando à questão do título e trazendo-a para o contexto das Finanças Pessoais.

Para responder a essa questão, há dois enfoques: enfoque de objetivo financeiro, em que poupança é o ato de poupar, e enfoque de produto financeiro, em que poupança é a Caderneta de Poupança.

Você se lembra de que os objetivos financeiros podem ser classificados em primários e secundários. Os objetivos primários visam à manutenção do seu padrão de vida e de seus dependentes no presente e no futuro. Os objetivos secundários visam ao incremento de seu padrão de vida e de seus dependentes no futuro.

Assim, para manter o padrão de vida é preciso planejar o pagamento de dívidas, contratar seguros, planejar a aposentadoria, planejar a educação dos filhos, planejar a sucessão do patrimônio e acumular poupança para contingências.

O termo poupança sugere, como definem alguns dicionários, poupar, gastar moderadamente, economizar, não desperdiçar, conservar. A preocupação não é aumentar patrimônio e, sim, criar condições para preservá-lo, precavendo-se contra qualquer risco de deteriorá-lo. Ou seja, você deve escolher um produto financeiro conservador: caderneta de poupança, CDB, fundos DI, fundos de renda fixa, etc.

Isso, para mim, não é investimento no sentido restrito, em que corremos risco buscando uma rentabilidade maior. Claro que, no sentido mais amplo, pode ser entendido como um investimento conservador.

Já para alcançar o objetivo secundário de melhorar o padrão de vida, é preciso investir, é preciso correr riscos. Nesse contexto, poupar não é suficiente. E poupança entendida como o produto financeiro Caderneta de Poupança está totalmente fora de cogitação.